sábado, 30 de maio de 2015

BBC MUNDO: E AGORA, QUEM MANDA NO FUTEBOL DA AMÉRICA LATINA?

(Fotos: Internet)

Christopher Gaffney: “O mundo do futebol tem sido definido pela impunidade e irresponsabilidade por tanto tempo que vai necessitar uma crise muito longa e a intervenção governamental para instituir uma mudança significativa”.

Reproduzido do portal Ecuador en vivo, de 30/05/2015 (em espanhol)

La opulenta sede de la Confederación Brasileña de Fútbol (CBF) en Río de Janeiro perdió su nombre de la noche a la mañana.

Hasta el miércoles se llamaba “José Maria Marin” en honor a su vicepresidente, que ese día fue detenido en Zurich junto a otros altos dirigentes del fútbol mundial acusados de corrupción.

Tras el escándalo, las letras plateadas que escribían el nombre de Marin en la fachada moderna del edificio fueron retiradas una por una temprano en la mañana del jueves y el dirigente de 83 años fue apartado de su cargo en la CBF.

Ahora que él y otros pesos pesados del fútbol en América Latina parecen haber caído en desgracia, un cambio de nomenclatura obligatorio asoma en la cúpula del deporte más popular de la región.

Pero una pregunta surge en medio del regocijo de muchos por el arresto de figuras que parecían intocables: ¿quién va a mandar en lugar de ellos?

“Que se cambie todo” (Que mude tudo)

Además de Marin, en Zurich fue detenido el presidente de la Confederación de Fútbol de América del Norte, Centroamérica y el Caribe (Concacaf) y vicepresidente de la FIFA, el caimanés Jeffrey Webb.

También fueron arrestados el uruguayo Eugenio Figueredo, vicepresidente saliente de FIFA y expresidente de la Confederación Sudamericana de Fútbol (Conmebol), y los jefes de las federaciones de fútbol venezolana, Rafael Esquivel, y costarricense, Eduardo Li.

Todos ellos enfrentan diversas acusaciones de corrupción presentadas por el Departamento de Justicia de Estados Unidos (EE.UU.), que aguarda su extradición.

Esto ocurre menos de un año después de la muerte del hombre más poderoso del fútbol argentino y posiblemente de toda Sudamérica, el vicepresidente de la FIFA Julio Grondona.

Los arrestos generaron para muchos la esperanza de una transformación inédita en la dirigencia del fútbol latinoamericano.

La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, dijo que la investigación de la FIFA va a “beneficiar a Brasil” y contribuirá a la profesionalización del fútbol.

Su gobierno anunció el jueves que la Policía Federal brasileña (la misma que escarba en el megaescándalo de sobornos en Petrobras) abrió su propia investigación sobre la corrupción en el fútbol.

Y el exartillero de la Seleção y actual senador Romário pidió instalar una comisión investigadora en el Congreso.

El presidente de la CBF, Marco Polo del Nero, regresó rápidamente desde Suiza a Brasil tras los arrestos y este viernes descartó renunciar al cargo. "No hay ninguna razón (para hacerlo)", sostuvo.

En el resto de la región también hubo editoriales de prensa y comentarios destacando la oportunidad que surgió para limpiar las estructuras del fútbol.

“Hoy gana el fútbol. Basta de negociados, basta de mentirle a la gente. Ya están viejitos y les retiraron el registro para conducir a todos”, dijo el miércoles exastro argentino del balompié, Diego Maradona.

“Que se cambie todo”, añadió.

Cartel de Traffic Sports

¿Se acercan cambios en el mercadeo del fútbol latinoamericano?

La esperanza es que también soplen vientos nuevos en el ámbito del mercadeo futbolístico, ya que también fueron acusados los ejecutivos de tres empresas líderes del ramo en la región: la brasileña Traffic Group y las argentinas Full Play Group y Torneos y Competencias.

“El mercado hoy se recompone fácilmente porque ya existe una estructura consolidada que no depende de esas empresas”, dijo a BBC Mundo Pedro Trengrouse, un profesor de marketing deportivo en la Fundación Getulio Vargas, una universidad brasileña de elite.

¿Cambio hasta dónde? (Mudança até onde?)

Sin embargo, algunos especialistas advierten que poco puede esperarse sin una reforma radical del modo en que se gobierna el fútbol latinoamericano.

“La remoción de los hombres más poderosos en el fútbol de las Américas de sus puestos no ha creado aún una discontinuidad en las estructuras institucionales”, advirtió Christopher Gaffney, un académico de la Universidad de Zurich experto en fútbol y crítico de la FIFA.

Como ejemplo, señaló que el propio Marin sustituyó a Ricardo Teixeira en la presidencia de la CBF cuando éste abandonó el cargo en medio de denuncias de corrupción.

Esto ocurrió pese a que el propio Marin ya era criticado por su apoyo a la dictadura militar brasileña (1964-1985), en la cual fue gobernador de São Paulo, y llegó a ser acusado de denunciar opositores al régimen.

En la Conmebol, Figueredo sustituyó en 2013 a un presidente que era blanco de denuncias de irregularidades: el paraguayo Nicolás Leoz, que también enfrenta un pedido de captura y extradición de EE.UU.

Ahora la Conmebol es presidida por otro paraguayo, Juan Ángel Napout, que no ha sido acusado por los fiscales estadounidenses.

Pero la denuncia de reparto de sobornos para organizar la Copa América salpica a la Conmebol y a los líderes de varias federaciones nacionales del fútbol sudamericano.

De hecho, los investigadores de EE.UU. advirtieron que los arrestos del miércoles eran sólo “el comienzo” de su acción, por lo que en el futuro podrían surgir nuevas acusaciones.

Tras los arrestos del miércoles, la Conmebol emitió un comunicado comprometiéndose a "colaborar abierta y enfáticamente con las investigaciones".

Así reina la incertidumbre sobre quién va a mandar en el fútbol de la región en los próximos años, o hasta dónde llegará la transformación de su sistema de mando, que según Gaffney precisa una apertura y fuerte presencia de la sociedad civil.

“El mundo del fútbol ha sido definido por la impunidad y la irresponsabilidad por tanto tiempo que se va a necesitar una crisis muy extendida y la intervención gubernamental para instituir un cambio significativo”, señaló a BBC Mundo.


Todo indica que remover el nombre de una fachada es la parte más fácil de esa transformación.

EQUADOR: RIGOBERTA MENCHÚ VAI CONSTATAR DANOS CAUSADOS PELA CHEVRON NA AMAZÔNIA

Em Washington, em 21 de abril houve um foro sobre os prejuízos da Chevron, no qual participou Rigoberta Menchú (centro) (Foto: Arquivo/El Telégrafo)
Menchú: "Somos testemunhas da destruição indiscriminada que se cometeu na Amazônia do Equador, peço justiça para essa nação e uma interrupção dos ataques da transnacional através de vários meios de comunicação".

Do jornal equatoriano El Telégrafo (empresa pública do governo federal), edição digital de hoje, dia 30 (em espanhol, com traduções pontuais)

La Cancillería ecuatoriana confirmó que Rigoberta Menchú, Nobel de la Paz, visitará el país el 3 de junio para constatar el daño de la petrolera Chevron-Texaco en la Amazonía ecuatoriana.

El 21 de abril pasado Menchú participó en Washington, Estados Unidos, en una manifestación de apoyo a Ecuador, justo en los inicios de la Audiencia de Arbitraje sobre el caso Chevron (compañía que de 1964 a 1990 derramó 80 mil toneladas de tóxicos en la zona), en el Tribunal Internacional de La Haya.
La jornada de ese día devino (se transformou numa) concentración popular en las afueras (nas proximidades) de la sede del Banco Mundial, para apuntalar la campaña 'La mano sucia de Chevron' (A mão suja da Chevron).
"Somos testigos (testemunhas) de la destrucción indiscriminada que se cometió en la Amazonía de Ecuador, pido justicia para esa nación y un alto (e uma interrupção) a los ataques de la transnacional a través de varios medios (meios de comunicação)", expresó.
Condenó el intento de Chevron-Texaco de atribuir al Estado su responsabilidad en los daños y demandó respeto y cumplimiento de las leyes (leis) y la soberanía de los estados, ante las maniobras de la compañía para eludir (fugir da) responsabilidad tras (após) una década de procesos judiciales.
El consorcio estadounidense presentó alegatos ante la Haya después que la Corte Nacional de Justicia de Ecuador castigó a Chevron con el pago de $ 9.500 millones (com o pagamento de 9 bilhões e 500 milhões de dólares) por el desastre medio ambiental causado. 


Tradução (parcial): Jadson Oliveira

CORRUPÇÃO NA FIFA: ESTADOS UNIDOS DESENHAM CAMINHO DA PROPINA QUE ATINGE A GLOBO

(Foto: Brasil 247)
Na entrevista coletiva em que apresentou ao mundo as vísceras da corrupção na Fifa, a secretária de Justiça dos Estados Unidos, Loreta Lynch, foi didática, até desenhou o caminho da corrupção na entidade; entre os personagens que pagaram propina para adquirir direitos de transmissão da Copa do Mundo, Libertadores, Copa América ou Copa do Brasil, estão os grupos de mídia que transmitem os eventos; segundo Lynch, a corrupção é "sistêmica, desenfreada" e funciona há pelo menos 24 anos; se a Globo é dona dos direitos de todos os campeonatos investigados e mantém relações empresariais com o pivô do escândalo, o brasileiro José Hawilla, dono da maior afiliada da emissora, a TV TEM, e réu confesso de crimes de extorsão e lavagem de dinheiro, fica difícil acreditar no editorial da edição de quarta-feira do "Jornal da Globo" de que "não pesam suspeitas sobre as empresas de mídia que compraram desses intermediários os direitos de transmissão"

Reproduzido do site Brasil 247, de 29/05/2015

247 – Na entrevista coletiva em que apresentou ao mundo as vísceras da corrupção na Fifa, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos mostrou, didaticamente, o que pode ser chamado de fluxograma da propina, que, se as investigações avançarem no Brasil, pode atingir em cheio as Organizações Globo, da família Marinho.

O esquema é de fácil compreensão e trata-se basicamente de uma reação de corrupção em cadeia: os organizadores de um evento de futebol, seja a própria Fifa, ou as confederações dos continentes, regionais ou até nacionais, como a CBF, são quem primeiro detêm os direitos de transmissão e marketing dos eventos. Para comprar esses direitos, empresas de Marketing Esportivo, como a Traffic Group, do brasileiro José Hawilla, pagavam milhões às confederações, e outros milhões de dólares em propina para os dirigentes das entidades.
De acordo com o esquema desenhado pelo governo americano, as empresas de marketing esportivo, de posse dos direitos de transmissão de campeonatos importantes, como a Copa do Mundo, Libertadores, Copa América ou até a Copa do Brasil, revendia-os aos grupos de comunicação e patrocinadores, que também pagavam propina às empresas para fecharem os contratos.
Não é novidade para os brasileiros que as Organizações Globo detêm há décadas o monopólio na transmissão de eventos internacionais de futebol. Só da Copa do Mundo, a parceria com a Fifa vem desde o mundial de 1970. Todos os campeonatos em que foi identificado pelo FBI o pagamento e recebimento de propina, a emissora da família Marinho é a transmissora oficial no Brasil (leia aqui reportagem do 247 sobre o assunto).

Segundo a secretária de Justiça dos EUA, Loreta Lynch, a corrupção em jogos comandados pela Fifa e suas confederações subalternas existe de forma "sistêmica e desenfreada" há pelo menos 24 anos. 

Se a Globo é dona soberana dos direitos de transmissão no Brasil dos principais eventos mundiais do futebol desde os anos 70, e mantém relações empresariais com o pivô do escândalo, o brasileiro J. Hawilla, dono da maior afiliada da emissora, a TV TEM, e réu confesso de crimes de extorsão, fraude eletrônica e lavagem de dinheiro, fica difícil acreditar no editorial do "Jornal da Globo" de quarta-feira 27 de que "não pesam acusações ou suspeitas sobre as empresas de mídia de todo o mundo que compraram desses intermediários os direitos de transmissão".


O que você, leitor, acha?

(Ilustração: reproduzida do Brasil 247)

SEGURO-DESEMPREGO: UM AJUSTE CRUEL E DESNECESSÁRIO – POR ROBERTO REQUIÃO

Roberto Requião (Foto: Internet)
Se neoliberais voltarem ao poder, eles poderão, com razão, alegar que qualquer crítica e mobilização contra a destruição de direitos trabalhistas é meramente eleitoral; eles poderão dizer que mesmo quando a CUT e “os trabalhadores” estiveram no poder, eles se renderam a “essas verdades” adotando medidas draconianas contra os trabalhadores.

Por Roberto Requião, senador pelo PMDB-PR (Moreira Moriz/Agência Senado) – reproduzido do portal Carta Maior, de 28/05/2015

Nessa quarta (26), o Senado aprovou a primeira medida provisória do ajuste-Levy. O aumento dos limites para acessar o seguro desemprego significa concentrar o peso do ajuste nos mais vulneráveis, os desempregados. Ainda que se admita que as regras do seguro desemprego devam ser aperfeiçoadas, a forma, a intensidade, o momento e as justificativas para isso excedem o razoável.

Apesar do discurso inicial garantir que o tal ajuste seria feito sem prejuízo dos direitos trabalhistas e sem elevar o desemprego, os fatos mostram que as medidas têm se concentrado nos trabalhadores mais humildes. 

O não pagamento de firmas que prestaram serviços de construção e fornecimento de equipamentos para a Petrobrás ou para o governo deixa milhares de trabalhadores sem salários por meses e provoca a demissão de milhares trabalhadores. Isso antes da edição das malfadadas medidas provisórias do ajuste.
    
Mas as limitações do seguro-desemprego são o ponto especialmente cruel e regressivo do pacote. É verdade que há fraudes significativas no seguro desemprego. No entanto, as restrições agora impostas para que o trabalhador acesse o benefício vão muito além das fraudes, que poderiam ser atacadas com uma fiscalização mais eficiente. Mesmo porque, se a fraude era o foco, o governo não poderia colocar essa medida no bojo de um programa de “ajuste fiscal”.

O fato é que a medida não atinge apenas as fraudes, atinge também o trabalhador honesto. E o senhor Levy escolheu o pior momento para essa ação punitiva, exatamente quando ocorre forte crescimento do desemprego. 
 
Além disso, o que o governo deixa de gastar com as restrições às fraudes –que devem ser vigorosamente combatidas, reafirme-se – não é tanto assim. Mas, para o trabalhador desempregado, esse dinheiro tem grande valor inestimável. Pior, os punidos serão milhões de ex-eleitores de Dilma e Lula. De um ponto de vista político, é um custo muito grande para um ganho muito pequeno.

Ademais, devemos ressaltar que a justificativa das fraudes peca por tapar os olhos para a verdade. O governo alega que há alguma coisa errada nas despesas de seguro desemprego, que teria crescido demais durante os governos do PT, quando o desemprego caiu acentuadamente. Insinuam que isso pode ter sido ocasionado por aumento das fraudes. Entre 2003 e 2014, a taxa de desemprego caiu de 12% para 5% e o número de pessoas que receberam o seguro-desemprego aumentou de 4,9 milhões para 8,9 milhões.
 
É fácil mostrar que esse argumento é equivocado. Devemos lembrar que nesse período houve um significativo crescimento na formalização da economia, na demanda por trabalho e na população economicamente ativa. O número atual de empregos formais é substantivamente maior do que em 2003. Contudo, a rotatividade de empregos continua similar. Dessa forma, como era esperado, o número de demissões “brutas” – que são as demissões totais sem subtrair as admissões – cresceu proporcionalmente à quantidade de pessoas com carteira assinada. Ora, são as demissões “brutas” que geram os pedidos de seguro-desemprego.

No ano passado, quando estávamos próximos ao pleno emprego, os dados do Ministério do Trabalho mostravam que número médio de demissões de empregados formais por mês foi de 1,706 milhão; enquanto, em 2003, quando o desemprego era altíssimo, foi de 764 mil.
Vê-se no gráfico abaixo que em todo o período de 2003 até 2014, quando houve uma queda inédita do desemprego, mais do que dobrou as demissões brutas por mês.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

EMBAIXADOR EQUATORIANO: “OS SERES HUMANOS TEMOS MAIS DIREITOS DO QUE AS EMPRESAS”

Ex-presidentes da Venezuela Hugo Chávez, da Argentina Néstor Kirchner, e do Brasil Lula, considerados impulsionadores do projeto integracionista (Foto: Wikicommons)
Para Ramón Torres Galarza, diplomata Itinerante para Assuntos Estratégicos, integração terá continuidade “porque hoje povos são protagonistas da história”.

Temos que “exigir dos acadêmicos, dos meios de comunicação, dos cidadãos, uma atitude distinta que rompa a passividade, o conformismo que nos converte em somente consumidores”.

Por Vanessa Martina Silva, de São Paulo – no portal Opera Mundi, de 26/05/2015, com o título Embaixador equatoriano: América Latina é contraponto a ‘desencanto do capitalismo’ (o título acima é deste blog)

“São as democracias [latino-americanas] em revolução que podem mudar o mundo frente ao silêncio, frente ao desencanto, ao cinza que o capital e o capitalismo em sua crise planetária estão gerando. Que podem fazer frente a esse individualismo selvagem, esse consumismo predador, essa solidão. Que podem se contrapor ao ‘consumo, logo existo’, que parece ser o que marca o destino dos seres”. A opinião é do Embaixador Itinerante do Equador para Assuntos Estratégicos, Ramón Torres Galarza. Na entrevista exclusiva a Opera Mundi, falou sobre os desafios da integração e os objetivos do projeto impulsionado pelo governo equatoriano.

Também poeta, Galarza — que esteve no Brasil, na última semana, para firmar uma série de convênios com universidades brasileiras pelo Programa Regional Latino-americano de Docência e Investigação: Democracias na Revolução e Revoluções na Democracia — é otimista diante dos desafios que a integração latino-americana enfrenta. Para ele, é preciso que desenvolvamos um processo que “dignifique os seres humanos, que reconheça que somos parte da natureza e por isso proclamemos que os seres humanos temos mais direitos que o capital, que os seres humanos temos mais direitos que as empresas e que a natureza tem mais direito que o capital. Estamos ressignificando o conceito da velha democracia excludente, elitista que reconhecia somente direitos civis ou políticos. Precisamos reconhecer uma democracia que inclua economicamente os cidadãos. Não podemos falar de cidadãos de direitos na América Latina se somente somos democráticos porque vamos votar nas eleições”.

Segue apenas uma das perguntas e respostas:

Opera Mundi: No Brasil, em nossas universidades, não se estuda o contexto ou os pensadores latino-americanos. Os centros de ensino estão muito focados na Europa e nos Estados Unidos. Como, então, confrontar nas universidades o pensamento desses dois enfoques muito distintos?

Ramón Torres Galarza: Sem dúvida vivemos na América Latina demasiados anos de uma dependência e colonização do pensamento. Essa descolonização do pensamento, essa epistemologia do sul está surgindo com muita força porque todos os conceitos estrangeiros não permitiram que esse ser latino-americano se desenvolvesse. Então, quando olhamos os conceitos, eles já não nos servem. 

Então voltamos o olhar nós mesmos e voltamos a considerar o pensamento da origem do nosso continente, recuperamos saberes e costumes e pensamentos que fazem parte de nossos processos de independência, dos nossos processos de revoluções, parte do que constitui a luta anti-imperialista, do processo de libertação nacional, mas tudo isso devemos conjugar contemporaneamente para ser capaz de produzir um pensamento próprio e ter também um diálogo com o pensamento estrangeiro porque não podemos nos fechar em nós mesmos ou criar muros de pensamento.

Se nós somente promovêssemos a consolidação do ensino do castelhano no Brasil e o ensino de português na América Latina, avançaremos muito de maneira prática, concreta em nossa integração cultural e sem integração cultural bem possível que não exista a integração econômica, comercial, política. Então está chegando o momento em que esta sede, essa necessidade já não é mais uma utopia, mas o imperativo para existir como cultura, como formas de vida distintas. 

São essas democracias em revolução que podem mudar o mundo frente ao silêncio, frente ao desencanto, frente ao cinza que o capital e o capitalismo em sua crise planetária está gerando. Esse individualismo selvagem, frente a esse consumismo predador, frente a essa solidão. Frente ao ‘consumo, logo existo’, que parece ser o que marca o destino dos seres.

Estamos aqui para dizer 'não'. Temos que construir uma alternativa civilizatória, tecnológica, de pensamento sobre qualidade de vida, mas que dignifique os seres humanos, que reconheça que somos parte da natureza e por isso proclamamos que os seres humanos temos mais direitos que o capital, que os seres humanos temos mais direito que as empresas, que a natureza tem mais direito que o capital. Exigir dos acadêmicos, dos meios de comunicação, dos cidadãos, uma atitude distinta que rompa a passividade, o conformismo que nos converte em somente consumidores.


MARADONA: “A FIFA ODEIA O FUTEBOL E A TRANSPARÊNCIA”

(Foto: Página/12)
Diego Maradona cobra velhas contas da entidade: historicamente em guerra contra o poder de Zurique, o astro, que apoia a candidatura (opositora à direção da Fifa) do príncipe jordaniano Al Hussein, não escondeu sua alegria pelo processo deflagrado contra a corrupção no futebol. “Basta de mentir para as pessoas, hoje se disse a verdade”, exclamou de Dubai.
Matéria pinçada da ampla cobertura do jornal argentino Página/12, edição impressa de hoje, dia 28 (em espanhol)
“Estoy disfrutando algo que yo vengo diciendo hace mucho”, dijo ayer con deleite Diego Armando Maradona. “Hoy se dijo la verdad, hoy ganó el fútbol”, subrayó el astro, siempre crítico de los máximos poderes del deporte de la pelota. “Basta de mentirle a la gente y de hacer una cena show para reelegir a Joseph Blatter” al frente de la FIFA, pidió el ex jugador, desde Dubai. “La FIFA odia al fútbol y la transparencia”, insistió.
“A mí me trataban de loco, pero yo no tiro tiros al aire. Una vez le pedí a Grondona que no sigan ‘choreando’ (robando)”, recordó Maradona, que subrayó que “la FIFA no tiene problema de sacarle la plata a la gente, de cobrarle el estacionamiento más caro, de cobrarle más caro el abono, de si se toma alcohol o no en las canchas, depende de lo que les convenga”.
El ex astro aprovechó para renovar su apoyo al príncipe Ali bin al Hussein, el único oponente de Blatter en las elecciones en la FIFA. “Cuando nosotros lleguemos a FIFA no se van a ir todos. Los buenos van a quedar. Pero a los malos me voy a encargar personalmente de pegarles una patada en el culo.” Maradona alertó en ese sentido que “hay que ver si gana Blatter después de esto”. “Cuidado con que Blatter tenga que ir a Estados Unidos a dar explicaciones” porque “los norteamericanos lo vienen persiguiendo desde hace diez años” y en esta ocasión “les cayeron por sorpresa”, dijo el ex entrenador de la Selección Argentina. “Yo tengo 54 años y vengo peleando a muerte desde hace mucho tiempo y te lo puede decir toda la gente de mi época. Hoy tenemos una FIFA de billones de dólares y hay jugadores por el mundo que no ganan más de 150 dólares.”
Otro futbolista crítico de la dirigencia, el paraguayo José Luis Chilavert, afirmó que “es el momento ideal para sanear el mundo del fútbol. Hace más de dos años, con Maradona, Oscar Ruggeri y Antonio Careca dijimos que queríamos tomar por asalto la Conmebol para denunciar el despilfarro económico. El despilfarro viene de Havelange, de Blatter. El jefe de la mafia ya no está, que era Julio Grondona”, acusó. “Se convirtieron en millonarios gracias al fútbol mientras los jugadores quedaban cada vez más empobrecidos”, coincidió con Maradona..

El ex arquero no se privó de reflotar viejos rencores. “Me parece bien que los investiguen y los lleven presos. Nosotros dimos nuestra vida por el fútbol y los dirigentes son multimillonarios y nunca han jugado al fútbol. Los detuvieron porque la corrupción es terrible”. “Hace muchos años venimos denunciando la malversación de fondos de Conmebol y FIFA. La FIFA siempre se maneja con total impunidad, me encanta que se empiece a limpiar el fútbol”, valoró el paraguayo. “Blatter debe renunciar por ética y que se presenten candidatos nuevos por el bien del fútbol”.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

REFORMA POLÍTICA NO BRASIL: FINANCIAMENTO PRIVADO DE CAMPANHA ELEITORAL É DERROTADO NA CÂMARA

Proposta de reforma política liderada por Eduardo Cunha foi derrotada na Câmara dos Deputados. Como alternativa, movimentos populares propõem uma constituinte para mudar o sistema político.


Por Wilson Dias/Agência Brasil - reproduzido do site do jornal Brasil de Fato, de 27/05/2015

A proposta de reforma política encabeçada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, foi derrotada em votação do Plenário na madrugada da quarta-feira (27). O principal tema que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 182/07) queria passar era a de legalizar o financiamento privado de campanha. A medida teve 264 deputados votando a favor e 207 contra, mas foi rejeitada porque teve 44 votos a menos dos 308 necessários para se realizar uma mudança constitucional. (Confira como votou cada deputado)
 
 Eduardo Cunha sofre derrota na Câmara | Foto: Wilson Dias/ABr
A proposta do “distritão”, que transformaria estados e o Distrito Federal em "distritos eleitorais”, e os candidatos eleitos seriam os que obtivessem o maior número de votos em cada distrito, também foi derrubada, por 267 votos contra a 210 votos a favor.
Antes da votação no Plenário da Câmara, centrais sindicais e movimentos populares de diversos locais do país realizaram um ato com cerca de 1 mil pessoas em frente ao Congresso. Eles exibiam faixas e cartazes contra o que chamavam de "PEC da Corrupção". Os manifestantes foram impedidos de entrar na Casa e acompanharam a votação do lado de fora.
Para o membro da coordenação nacional da campanha do Plebiscito Popular pela Constituinte do Sistema Político, Ricardo Gebrim, todo o processo de reforma política liderado por Cunha tinha como único objetivo a institucionalização do financiamento privado de campanha. A manobra, segundo ele, tinha como objetivo anular a votação do Supremo Tribunal Federal (STF) da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4.650 – proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que visa proibir o financiamento.
“Se a Câmara aprovasse a constitucionalidade da doação empresarial, a decisão do Supremo perderia eficácia, porque mesmo que proclamada a inconstitucionalidade, ela vai valer para antes da cláusula constitucional. É a única medida que queriam passar. Mas se eles botassem só isso na votação, ia ficar na cara o que queriam e haveria um repúdio da sociedade. Então, o que fizeram? Criaram uma ‘reforma política’”, afirmou.
 
Manifestantes protestam contra a PEC da Reforma Política | Foto: Reprodução 








Projeto popular

Os movimentos sociais defendem uma proposta de reforma política para o país que amplie a participação popular. No ano passado, a campanha do plebiscito colheu 7,5 milhões de assinaturas por todo país favoráveis à realização de uma consulta popular para decidir pela formação de uma assembleia constituinte para implementar uma reforma política.
Dentre as propostas do projeto popular de reforma política, está o fim do financiamento privado de campanhas, a realização de mais consultas à população e o voto no programa partidário ao invés de indivíduos.
Para Gebrim, a derrota do projeto de reforma da Câmara mostra que “vai começar a ter um senso comum de que esse Congresso não vai se autorreformar, que é o que a gente já vinha dizendo. A Constituinte vai voltar a conquistar o imaginário. Ou a gente esquece isso [a reforma política], aprende a lidar com o sistema político – e vai ser cada vez mais difícil, porque tende a piorar -, ou a gente tem que pautar uma Constituinte”.
Devolve Gilmar
Outra campanha promovida pelos movimentos populares é a Devolve Gilmar, que exige a retomada imediata do julgamento do projeto que propõe o fim do financiamento privado de campanhas políticas, que está há um ano parado nas mãos do ministro do STF Gilmar Mendes.
Segundo a página da campanha na internet, “o ministro está há 420 dias atrasando o julgamento do fim do financiamento de empresas às campanhas eleitorais”. Contudo, “pelo prazo regimental do STF, ele já deveria ter devolvido os autos há 366 dias”.
No STF, a votação está com o placar de 6 votos a 1, o que rejeitaria esse tipo de arrecadação financeira. No entanto, em função do pedido de vistas de Gilmar, o julgamento não pode ser concluído e a medida deixa de ser implementada.

TUDO O QUE CHÁVEZ DEIXOU COMO LEGADO

(Foto: Internet)
A criação das missões sociais, a recuperação da soberania petrolífera e a construção da união latino-americana fazem parte de um ideário. Os desafios que enfrenta o projeto político do líder venezuelano. Veja a análise de Alfredo Serrano Mancilla no livro ‘El pensamiento económico de Hugo Chávez’.
Traduzido do jornal argentino Página/12, edição impressa de ontem, dia 26
O pagamento das dívidas sociais, a recuperação da soberania petrolífera e a construção de uma aliança entre os países latino-americanos foram os principais legados deixados pelo ex-presidente venezuelano Hugo Chávez a seu país. “Ele (Chávez) sabia que o neoliberalismo não é algo marginal nem parcial, mas que se trata duma megaestrutura global tão intrincada da qual não se pode sair a não ser com uma reforma total”, afirmou o doutor espanhol em Economia, Alfredo Serrano Mancilla, que visitou Buenos Aires para a apresentação do seu livro ‘El pensamiento económico de Hugo Chávez’ (Ediciones del CCC). Nele, indagou acerca das principais influências que determinaram, uma vez no poder, as políticas do ex-chefe de Estado e como foi seu árduo percurso para conseguir superar o neoliberalismo em seu país. Ademais, em conversa com o Página/12, o também atual diretor executivo do Centro Estratégico Latino-americano Geopolítico (Celag), analisou a atualidade econômica da Venezuela e os principais desafios que tem pela frente o governo do presidente Nicolás Maduro.
Serrano Mancilla expressou que as origens humildes do ex-presidente venezuelano lhe permitiram, já desde pequeno, conhecer bem de perto os problemas enfrentados por seu país. “Na época quando a Venezuela gozava do auge petroleiro nunca haviam entrado tantas divisas no país. No entanto, nessa mesma época, Chávez fabricava e vendia barriletes (segundo dicionário, pipa, papagaio, arraia) para levar um pouco mais de dinheiro para sua casa. Este é um bom exemplo da falta de redistribuição de renda na Venezuela.” A carreira militar, assinalou o estudioso espanhol, permitiu ao ex-presidente, por um lado, assegurar o sustento econômico pessoal e, por outro, receber a instrução que influenciou seu pensamento econômico. “Chávez teve um processo de formação muito complexo, e sobretudo muito eclético: tomou um pouquinho de tudo e assim moldou seu pensamento. Ele tomou com muita força de Simón Rodríguez, Ezequiel Zamora e Simón Bolívar”, explicou. “De Bolívar ele admirava a pregação em favor da ‘liberdade e emancipação’; de Rodríguez, o ‘espírito’ de não dar respostas vindas ou copiadas de outros lugares, o seu famoso ‘inventamos ou erramos’; enquanto que de Zamora, sua atitude combativa, já que dos três foi quem mais lutou nas ruas”, afirmou o diretor executivo do Celag.
Entretanto, o ex-presidente venezuelano não formou seu pensamento somente através da obra dos próceres da história de seu país,  também foram importantes alguns presidentes latino-americanos de corte nacionalista-desenvolvimentista da década de 1970. “(Omar) Torrijos do Panamá, (Juan Francisco) Alvarado do Peru e (Juan José) Torres da Bolívia foram pessoas que Chávez admirou. Lhe interessava, particularmente, o conceito de ‘fronteira interior’ de Torres, assim como a disputa que Torrijos tinha com os Estados Unidos em termos de independência”, expressou Mancilla, cujo livro começa a ser vendido na Argentina.
“Chávez dizia que ‘só se pode planejar a longo prazo se as pessoas não morrem a curto prazo’”, disse Mancilla (Foto: Dafne Gentinetta/Página/12)
Chávez, sustentou o economista, soube compreender os fundamentos do processo social que se estava gestando em seu país a partir dos violentos protestos que tiveram lugar na capital venezuelana em 1989 (o famoso “Caracazo”) contra as severas políticas neoliberais que havia implementado o então presidente Carlos Andrés Pérez. “Com um povo forte e vigoroso que demanda e exige, Chávez entendeu que havia que revogar a Constituição, fazer uma assembleia constituinte para gerar um novo pacto das maiorias. E este pacto ia ser com o povo, não com as elites dominantes”, assinalou.
Por isso, logo que assumiu sua primeira presidência em 1999, o líder venezuelano impulsionou uma nova Constituição que foi promulgada antes que finalizasse o ano. “Esta nova Constituição contempla a recuperação da soberania, de setores estratégicos. Busca estabelecer uma política redistributiva para as maiorias, romper a forma como a Venezuela estava subordinada no mundo. Chávez queria resolver o presente para modificar o futuro. Ele mudou o marco legal para evitar a herança de estruturas legais que poderiam significar um freio para a mudança mais adiante”, analisou o diretor executivo do Celag. A nova Carta Magna permitiu ao ex-chefe de Estado atacar os temas mais urgentes com maior precisão. Mancilla lembrou que a primeira urgência foi a resolução das dívidas sociais das maiorias. “Chávez costumava dizer ‘só se pode planejar a longo prazo se as pessoas não morrem a curto prazo’. Foi por isso que criou as Missões Bolivarianas (programas sociais que contemplavam alfabetização, consultas médicas gratuitas e acesso à moradia).
“Estas não eram uma cópia do Estado de Bem-Estar europeu, porque não implicam uma negociação com o capital, se trata de algo inegociável”, afirmou. Outra das conquistas do governo do ex-presidente foi a recuperação da soberania petrolífera, que tinha sido cedida aos poderes econômicos internacionais. No ano 2000, recordou Mancilla, o então chefe de Estado convocou uma reunião dos países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para “frear” os Estados Unidos, que utilizavam a Agência de Energia Internacional (AIE) para fixar os preços do petróleo a partir da política norte-americana. “Outro pilar no pensamento econômico de Chávez foi a construção da ‘união’ latino-americana, já que entendia que não há possibilidades duma revolução nacional se não ia acompanhada duma revolução regional. Ele acreditava que não se poderia resistir ao capital internacional da Venezuela sem uma aliança regional que permita a colaboração mútua. Foi por isso que junto aos presidentes (Néstor) Kirchner e (Luiz Inácio) Lula da Silva, trabalhou pela criação da União das Nações Sul-americanas (Unasul)”, disse.
Mancilla expressou que, apesar dos avanços econômicos conseguidos durante os dois mandatos de Chávez, Venezuela tem sérios problemas de eficiência. “Depois das eleições de 2012, Chávez propôs a necessidade de dar um “golpe de timón” (golpe de timão, expressão muito usada na Venezuela, uma correção de rumos para por as coisas no caminho correto) porque reconheceu as falhas no modelo. Ele se deu conta de que tem que combater o ‘rentismo importador do século 21’: a demanda cresceu tanto que a oferta produtiva nacional não pôde seguir essa velocidade.” Ademais, a falta de produtos de primeira necessidade é uma das grandes questões que o atual presidente venezuelano não pode terminar de resolver. “É curioso, porque há desabastecimento de produtos como o leite mas não de iogurte. A mesma matéria prima vale para uma coisa e não para a outra. É evidente que há falhas de eficiência, mas o desafio é mudar a forma de pensar a matriz produtiva”, disse Mancilla.
Outra dívida a saldar, observou o expert, é a dependência econômica da exportação do petróleo. No entanto, temos que levar em conta que um país que tem uma dívida social tão grande não pode “abrir-se com facilidade” da renda do petróleo. “Depois das inundações em Caracas no final de 2010, durante o ano seguinte Chávez construiu mais moradias sociais do que as que foram feitas no mesmo ano nos Estados Unidos. A renda do petróleo permitiu concretizar a visão ‘humanista que tinha Chávez sobre a economia’”, sublinhou. Ainda assim, esclareceu o economista, o desenvolvimento petrolífero deveria ser complementar ao de setores como o turístico, que “tem potencialidades muito fortes em matéria de renda para a Venezuela”.
Mancilla expressou que Chávez estaria satisfeito com o trabalho de Maduro à frente do Estado venezuelano, ainda que tenha imaginado que num hipotético encontro lhe pediria ainda mais trabalho. “Maduro foi leal e pôde superar muitos momentos de dificuldade, pelo que Chávez o felicitaria por isso. Mas também lhe falaria ao ouvido sobre a necessidade de continuar dando ‘saltos para frente’”, imaginou o doutor em Economia. “Chávez tinha a habilidade de criar novas políticas e acredito que lhe indicaria que trabalhasse nisso. Por que não criar uma agência de qualificação de risco latino-americana? (ver observação), Por que não criar portas adentro certificados de produção ao invés de certificados de não produção?, Por que não dar divisas para que se produza ao invés de importar? Tenho certeza que Chávez o felicitaria por continuar avançando e lhe daria milhares de ideias.”
Informe: Gustavo Gerrtner.

Tradução: Jadson Oliveira

A MÍDIA HEGEMÔNICA E A DIVULGAÇÃO SELETIVA DE ESCÂNDALOS

(Ilustração: Internet)
A mídia dá a impressão de que o único grande escândalo de corrupção do país é o da Petrobrás. Cadê Zelotes? Cadê as contas secretas no HSBC? Cadê o metrô de SP?

Por Jéferson Miola, no portal Carta Maior, de 24/05/2015

Nos últimos tempos, a sociedade brasileira se defronta com grandes escândalos de corrupção. Para citar alguns: os casos de propinas na Petrobrás [Lava Jato], no Carf [Conselho Administrativo de Recursos Fiscais] do Ministério da Fazenda [Zelotes] e no metrô de SP; os depósitos secretos em contas do Banco HSBC na Suíça etc.

Pelo noticiário, todavia, fica-se com a impressão de que existe somente a Operação Lava Jato. Não bastasse esta seletividade, a notícia é ainda recortada para vincular Dilma, Lula e o PT à gênese da corrupção no Brasil.

É uma cobertura evidentemente anômala, por muitas razões. A começar pelo fato óbvio de que é sabido que o escândalo da Petrobrás é apenas um, dentre outros conhecidos, e que se assemelham no modus operandi: alguns políticos de vários partidos, empresários e funcionários públicos inescrupulosos formam quadrilhas para a prática criminosa.

Sabe-se também que a roubalheira da Petrobrás, que surrupiou cerca de 6 bilhões de reais da empresa, é pelo menos três vezes menor que a sonegação fiscal praticada por empresas num esquema de corrupção que atua sobre o Carf. O prejuízo do erário, segundo se estima provisoriamente na Operação Zelotes, é de 19 bilhões de reais – quase um terço dos cortes orçamentários anunciados pelo governo.

É compreensível o silêncio no noticiário. Afinal, se diz que entre os envolvidos estão o império daquele mega-empresário siderúrgico que ironicamente “ensina” a governos a magia da “eficiência e da produtividade privada” [sic]; estão também empresas de comunicação, bancos, banqueiros, conglomerados econômicos, grandes anunciantes, etc.

Seria difícil ao noticiário deixar de sonegar que alguns donos de jornais, algumas celebridades e um punhado de empresários e banqueiros sejam titulares das 7 mil contas no HSBC da Suíça que receberam depósitos milionários – em muitos casos, sem comprovação da origem legal da dinheirama.

No caso do metrô de SP, embora seja um esquema montado há mais de década e que atinge a casa de bilhões em prejuízos, um noticiário acanhado dá conta de uma apuração apartidária, despolitizada e que não criminaliza agentes políticos, porque joga a culpa em funcionários públicos que "agiam por conta própria”. Fosse o PT o partido no governo em SP durante duas décadas, estaria assegurado o carnaval midiático massacrante.

Embora os implicados na Petrobrás sejam majoritariamente identificados com os demais partidos [só o PP tem mais de 30 envolvidos], o noticiário trata como "petrolão do PT" [sic]. No circo da investigação da Operação Lava Jato, bandidos viram celebridades e ganham fé pública no noticiário das 8 da noite. Nos casos da Zelotes, das contas-fantasmas no HSBC, do metrô de SP, entretanto, não existe circo; porque existe silêncio, quando não a ocultação.

Uma prova prática disso: quem pesquisar no Google notícias sobre estes escândalos perceberá a abundância de registros diários sobre a Petrobrás, porém registros esparsos e em quantidades infinitamente menores dos demais escândalos.

Ante tal anomalia do noticiário, é fundamental que haja pressão pública para que a mídia repercuta com isonomia, imparcialidade e isenção a realidade brasileira – sem recortes e seletividade. A mídia tem exercido este papel danoso à democracia porque lamentavelmente encontra em setores da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário atores políticos que instrumentalizam as investigações para, dependendo do caso, criminalizar adversários ou proteger amigos.

Esta "midiatização justiceira" que perigosamente toma conta da arena pública infundindo ódio, se não for revertida a tempo poderá legitimar uma trajetória de regressão jurídica e democrática do país.


Observação deste Evidentemente:


Do presidente equatoriano Rafael Correa: “Uma má imprensa é mortal para uma verdadeira democracia. E a imprensa latino-americana é péssima”.

terça-feira, 26 de maio de 2015

URUGUAI: POLÊMICA COM UM MINISTRO

Fernández Huidobro costuma ter um estilo frontal e controvertido (Foto: EFE/Página/12)
Entre integrantes da governista Frente Ampla, pedem a saída do ministro da Defesa, o ex-tupamaro Eleuterio Fernández Huidobro: afirmam que sua presença no Ministério vai “contra os avanços na área de verdade e justiça”. Já o ministro disse que tem o respaldo do presidente, apesar de ter observado que “os ministros são mais perecíveis do que o leite fresco”.
Do jornal argentino Página/12, edição impressa de hoje, dia 26 (em espanhol, com traduções pontuais)
El oficialista (O governista) movimiento político Casa Grande, que encabeza la senadora y ex precandidata presidencial de Uruguay Constanza Moreira, reclamó ayer (ontem) la renuncia del ministro de Defensa, Eleuterio Fernández Huidobro, por sus posiciones respecto de los crímenes de la última dictadura (1973-1985).
Por su parte, la Vertiente Artiguista emitió una declaración a través de la cual expresa que el ministro Fernández Huidobro no debe mantenerse al frente de dicha secretaría de Estado (Ministério), la que “es vital para mejorar el conocimiento sobre el destino de los desaparecidos y las violaciones de los derechos humanos”.
La presencia del ex guerrillero tupamaro y ex preso político durante la dictadura en ese cargo va “contra los avances en materia de verdad y justicia”, sostuvo ayer (sustentou ontem) esa organización que integra el Frente Amplio (FA) y representa una renovación en la dirigencia de la coalición oficialista (entre os dirigentes da coalizão governista).
Fernández Huidobro compartió un cautiverio (compartilhou um cativeiro) en condiciones extremas con el ex presidente José Mujica y el dirigente frenteamplista Mauricio Rosencof, con quien escribió el libro Memorias del calabozo, que cuenta esos años de encierro (de prisão). Luego (Depois), cuando Mujica llegó a la presidencia, fue designado ministro de Defensa, cargo en el que fue ratificado por el actual presidente, Tabaré Vázquez.
El entredicho con Fernández Huidobro, quien suele tener (que costuma ter) un estilo frontal y polémico, surgió esta vez a partir de la creación del Grupo de Trabajo por Verdad y Justicia, anunciado la semana pasada por el mandatario uruguayo, que intenta investigar lo ocurrido durante la dictadura que gobernó el Uruguay entre 1973 y 1995.
Casa Grande le solicita al presidente Vázquez la “inmediata remoción del ministro de Defensa Nacional como forma de restituir una conducción que represente los principios del Frente Amplio en la materia, pero por encima de todo como vía de respeto a las víctimas del terrorismo de Estado y la sensibilidad democrática de todo un país”.
Este domingo, la Vertiente Artiguista, otro sector que integra el FA, expresó su “enfático rechazo” a las declaraciones del titular de Defensa, quien criticó a las organizaciones defensoras de derechos humanos como “una minoría” y como “enfermitos” (de enfermo, doente). El ministro se quejó también de que grupos minoritarios “estigmatizan” a los militares porque considera que la dictadura fue responsabilidad también de muchos civiles, medios de prensa (meios de imprensa) y “hasta de una embajada extranjera” que no identificó.
Estos pronunciamientos se suman a la declaración de la propia coalición gobernante que la semana pasada expresó que “no comparte los dichos del ministro (não compartilha com as declarações do ministro)” porque “no representan a la coalición”. “El Frente Amplio mantiene desde sus orígenes un inquebrantable compromiso con los derechos humanos. Es por ello (É por isso) que la búsqueda de verdad y justicia sobre el pasado reciente, los detenidos desaparecidos y todos los actos de terrorismo de Estado son una prioridad indeclinable para esta fuerza política”, indicó la declaración del FA de Uruguay.
A Fernández Huidobro se lo acusa de entorpecer las investigaciones de los hechos (dos fatos) denunciados por víctimas de la represión y familiares de desaparecidos, pero el ministro asegura que ha aportado información y “aporta más” de lo que se le ha pedido. Fernández Huidobro aseguró la semana pasada que tiene el respaldo de Vázquez, aunque precisó que “los ministros son más perecederos que la leche fresca” (apesar de ter observado que “os ministros são mais perecíveis do que o leite fresco”).

Tradução (parcial): Jadson Oliveira