segunda-feira, 30 de novembro de 2015

VENEZUELA: CHAVISTAS APROVAM COMPROMISSOS EM REUNIÃO COM COMUNAS

(Foto: Nodal)
Nos marcos da campanha para as eleições do domingo, dia 6, Maduro aprova, em encontro com 15 mil representantes de conselhos comunais, pontos de compromisso a serem cumpridos pelos candidatos do Grande Polo Patriótico, coalizão das forças chavistas.
Do portal Nodal – Notícias da América Latina e Caribe (em espanhol)
Contexto Nodal: En las elecciones parlamentarias del 6 de diciembre se eligen 167 diputados (164 diputados por las entidades federales y 3 por la representación indígena) por un mandato de 5 años en la Asamblea Nacional. Actualmente el Partido Socialista Unido de Venezuela del oficialismo tiene 98 escaños, por su parte la oposición agrupada bajo la coalición Mesa de la Unidad Democrática (MUD) tiene 65. Hay dos (2) diputados del partido independiente Patria para Todos (PPT), a los que se presta especial importancia ya que son quien pueden facilitar o evitar la aprobación de leyes, que requieren de las tres quintas partes de los integrantes de la Asamblea Nacional, es decir, la mayoría necesaria de 99 diputados.
El presidente de la República, Nicolás Maduro y presidente del Partido Socialista Unido de Venezuela (Psuv), desde el Poliedro de Caracas, sostiene un encuentro con 15.000 voceros de consejos comunales y comunas de todo el país, donde se aprueban nueve puntos de compromiso con el Gran Polo Patriótico (GPP).
El primer mandatario, Nicolás Maduro, desde el Poliedro de Caracas, encabeza un encuentro con 15.000 voceros de consejos comunales y comunas de las 24 entidades del país, de cara a las elecciones parlamentarias a llevarse a cabo el próximo 6D.
(Foto: Nodal)
Este domingo Maduro llamó a afianzar la estrategia del 1×10 dentro de las fuerzas revolucionarias, para alcanzar una comunicación que permita una organización y movilización perfecta el próximo domingo.
Hasta ahora, el Gran Polo Patriótico (GPP) ha registrado 5.441.687 millones en el 1×10, estrategia de movilización con la cual las bases de los partidos gubernamentales elaboran listas de mínimo 10 personas de su comunidad para invitarlas a votar.
Igualmente se conoce que existen nueve puntos de compromisos suscritos por los candidatos los cuales han sido aprobados:
1 - Defender la soberanía y autodeterminación de Venezuela.
2 - Consolidar la economía productiva para vencer la guerra económica.
3 - Garantizar la paz y la seguridad de las familias.
4 - Defender la estabilidad laboral.
5 - La educación gratuita.
6 - Profundizar la democracia participativa y protagónica.
7 - Consolidar la Misión Transporte.
8 - Defender y profundizar las misiones sociales.
9 - Consolidar el deporte en todos sus niveles.
De modo similar, resaltó este lunes (nesta segunda-feira) el valor político de los candidatos, quienes forman parte de un equipo de dirigentes comprometidos con el Plan de la Patria, creado por Hugo Chávez para el desarrollo productivo y soberano de la nación.
Indicó que por ello “los mejores candidatos son los de la revolución bolivariana y no los de la oposición”, cuyo plan es “acabar con las misiones y pensiones y mandar a los viejitos a trabajar, acabar con las computadoras canaimitas, tabletas, privatizar la educación, acabar con la Gran Misión Barrio Nuevo Barrio Tricolor, Gran Misión Vivienda Venezuela, Misión Transporte y traer el Fondo Monetario Internacional y entregarle la riqueza petrolera de Pdvsa”, aseveró.
“Gracias a Dios y al pueblo tenemos candidatos de calidad humana, política, ética. Somos el pueblo valiente, el pueblo indestructible, el pueblo de Bolívar y el pueblo de la alegría de Hugo Chávez Frías”, manifestó.
Asimismo, felicitó al jefe del Comando de Campaña Bolívar-Chávez, Jorge Rodríguez y a todos los aspirantes a diputados a la Asamblea Nacional “porque hoy han presentado un plan extraordinario de lucha, de 9 compromisos del Plan de la Patria para la nueva Asamblea Nacional que va a elegir el pueblo el próximo 6 de diciembre”.

COLÔMBIA: QUE FUTURO ESPERAM OS GUERRILHEIROS PRESOS

René Nariño na sua cela na prisão de La Picota, em Bogotá (Foto: reproduzida do Página/12)
Nos marcos das conversações de paz entre as FARC e o governo colombiano em Cuba: durante 20 dias, centenas de prisioneiros das FARC fizeram greve de fome exigindo melhorias de suas condições de prisão. Santos disse que indultará 30 insurgentes; eles suspenderam o movimento e pediram uma anistia generalizada.
Por Katalina Vásquez Guzmán, de Medellín (Colômbia) – no jornal argentino Página/12, edição impressa de hoje, dia 30 (em espanhol, com traduções pontuais)
Con la voz ronca por las olas (Com a voz rouca pelas ondas) de frío que cada noche invaden su celda (sua cela) en la penitenciaria de La Picota, en Bogotá, René Nariño habló con Página/12 sobre qué piden y qué sigue para el conjunto de presos políticos y prisioneros de guerra de las Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (FARC), ahora que se anunció el indulto a 30 guerrilleros de esa organización ilegal recientemente. Este, tal como lo presentó la Presidencia, es un gesto humanitario y de paz de parte de la delegación del gobierno en los Diálogos de La Habana, “un gesto de confianza” en el proceso de paz que cumplió ya tres años y estaría en su recta final si, de cumplirse la palabra del presidente Juan Manuel Santos y el máximo comandante fariano alias (codinome) Timochenko, en marzo de 2016 se firman los acuerdos finales y con ello (e com isso), como muchos lo anhelan (anseiam) en el mundo, se pone un punto de giro a la larga historia de guerra y violencias en Colombia.
Nariño – nombre de guerra – es oriundo de la provincia de Santander donde, disse (diz), creció en una familia humilde “ligada a la izquierda colombiana”. “Mi niñez (Minha infância) fue marcada por la persecución, de pequeño fui testigo (testemunho) del aniquilamiento de la Unión Patriótica (UP – partido de esquerda que foi dizimado por paramilitares) y la esperanza que eso significaba para el país, y luego vino la huida hasta (e depois veio a fuga até) que, convencido de una causa y para sobrevivir, me uní a las filas (fileiras) de las FARC. Me vine para Bogotá, de nuevo a un barrio humilde, estudiaba administración cuando caí preso en 2011”, relata el guerrillero minutos antes de verificar cuántos compañeros suyos fueron llevados a enfermería durante la huelga de hambre (a greve de fome) que terminó este fin de semana.
Durante 20 días, cientos (centenas) de rebeldes presos protestaron sin ingerir alimentos y en algunos casos cosiéndose la boca, literalmente, exigiendo mejorar las condiciones de su detención, a propósito de las conversaciones de paz entre su guerrilla y el gobierno de Colombia en Cuba, y que hoy pasan quizá por su momento más esperanzador. La ilusión llega hasta los camarotes húmedos de La Picota donde, junto a René están presos alias (codinomes) Caliche, Orlando Traslaviña, Jeison Murillo y hasta el profesor Miguel Angel Beltrán contra quien, según la Brigada Jurídica Eduardo Umaña, se ha cernido (se abateu) una persecución judicial que lo tiene hoy de nuevo tras las rejas (atrás das grades). En los 21 establecimientos de reclusión de Colombia donde se dio la protesta, los rebeldes esperan atención (atendimento) en salud y entregaron una lista de 80 casos graves que precisan intervención inmediata, “incluso algunos que merecen revisarse con prisión domiciliaria como gesto humanitario; en condiciones de detención será imposible preservar la vida de algunos con riesgo de perder la vista, por ejemplo, con esquirlas y tutores infectados por heridas de guerra, con traumatismos y diabetes, entre otras enfermedades”, aseguró John León de la Corporación Solidaridad Jurídica en conversación con este diario. Para León, lo que debería seguir para los guerrilleros de las FARC presos es que se generen zonas de reclusión para ellos en toda cárcel de Colombia “no necesariamente patios exclusivos para las FARC, sino lugares y maneras donde la vida y la seguridad no corran peligro, pues cada vez se están denunciando más casos de maltrato de parte de otras fuerzas presentes en las cárceles en algunos casos con connivencia con la guardia oficial”.
Ahora que se sabe que de firmarse los acuerdos en La Habana, ya 30 rebeldes tienen asegurada su libertad, René y los demás prisioneros de las FARC piden una amnistía generalizada. Hasta hoy en La Habana se han logrado ya acuerdos en tres de seis puntos de la agenda de conversaciones. “El 3.3 se refiere a la situación de los prisioneros políticos y desde ahí no solo los presos mismos sino organizaciones sociales y defensoras de derechos humanos solicitan ahora un gran indulto. Además, “el punto sobre el fin del conflicto, entendido como un proceso integral y simultáneo en sus siete (7) subpuntos, implica en una de ellas al Gobierno Nacional para que coordine la revisión de la situación de las personas privadas de la libertad, procesados o (ou) condenadas, por pertenecer o (ou) colaborar con las FARC-EP (...) En este otorgamiento de la amnistía “más amplia posible” extensiva a los civiles presos por rebelión, entre otros delitos amnistiables e indultables, es donde deberá ocurrir la certificación de pertenencia de los guerrilleros a la organización, además de civiles procesados o (ou) condenados por colaborar con la guerrilla”, opina alias (codinome) Fidel Rondón, uno de los comandantes de las FARC, en una columna suya divulgada ayer (ontem).
Según explica René Nariño muchos compañeros de celda son líderes sociales, campesinos, estudiantiles y, en general, civiles que están presos acusados de rebelión o (ou) apoyo al terrorismo, sin pertenecer a las filas (fileiras) de las guerrillas en Colombia. Éstos serían también, según explican, “prisioneros de conciencia, presos políticos; mientras (enquanto) que los prisioneros de guerra son los combatientes que caen en manos del enemigo”. Mil de ellos se movilizaron en las cárceles durante la semana pasada, pero no es claro hoy por hoy cuántos rebeldes de las FARC están presos en todo el país a la fecha (nesta data).
Según pudo conocer Página/12, a mayo de este año el Instituto Penitenciario de Colombia (Inpec) tenía en sus bases de datos 2.041 hombres y mujeres condenadas en sus cárceles por el delito de rebelión. Esto incluye no solo supuestos integrantes de las FARC sino también del Ejército de Liberación Nacional (ELN), la otra guerrilla colombiana con la cual se adelantan ahora conversaciones previas para iniciar un proceso de paz. “Nuestro censo es de 1500 prisioneros políticos y de guerra en todo Colombia, sin embargo este es un tema que hay que revisar”, asegura John León. Hoy día el Gobierno colombiano viene trabajando con el INPEC, la Fiscalía General (Procuradoria Geral) de la Nación y el Consejo Superior de la Judicatura con el fin de consolidar la información sobre el universo de miembros de las FARC privados de la libertad (investigados y condenados) por diferentes delitos.
Es decir que si se aprobara (Quer dizer que se se aprovasse) una amnistía generalizada para los farianos hoy en situación de detención, no se conoce aún de cuántos se trata. Lo que sí es un hecho (O que é um fato) es el drama humanitario que viven todos los presos y presas en las cárceles de Colombia que, de acuerdo con el mismo INPEC, presentan más de 45 mil personas que superan la cuota de hacinamiento (superlotação). La Brigada Eduardo Umañan precisa que los informes de finales de enero (janeiro) 31 de 2015 hablan de 118.658 internos (109.798 hombres y 8960 mujeres), mientras (enquanto) la capacidad de las 155 cárceles es solo de 76.000 personas; por lo tanto, el promedio de hacinamiento (a média de superlotação) es del 53%.

Junto a seis hombres más en su celda y desde una cama diminuta a donde no llegan los servicios de aseo ningún día del año, René Nariño celebra la decisión del gobierno de amnistiar por ahora a 30 guerrilleros y lo ve como un logro de la protesta y “el sacrificio de compañeros que siguen hoy en observación por deshidratación y otros casos no solo por la huelga de hambre sino por las condiciones mismas de la detención. Todo esto es el fruto de la maduración de una serie de luchas de manera continua en los últimos años”, enfatiza René. Antes de apresurarse a colgar (de apressar-se a desligar) el celular para evitar que la guardia lo decomise (o tome), Nariño aclara que la lucha emprendida por su guerrilla en la cárcel aspira no solo a beneficiar los rebeldes con atenciones médicas y posibles amnistías, sino a denunciar la profunda crisis del sistema carcelario y de la justicia punitiva en un país donde, cada año, surgen nuevas bandas criminales y combos delincuenciales (gangues, quadrilhas, grupos) al servicio del narcotráfico e, incluso, de cierta clase política que también engruesa las listas de hacinados (de lotados) en las centros de reclusión.

LUIS NASSIF: FOLHA COMPROVA A EFICIÊNCIA DA NOVA LEI DE DIREITO DE RESPOSTA

(Foto: GGN)

Não basta abrir espaço para o “outro lado” no pé da reportagem; importa analisar o efeito final da matéria sobre a opinião pública.


Por Luis Nassif - no portal Luis Nassif Online (Jornal GGN), de 29/11, atualizado em 30/11/2015

 

Os Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) que irão analisar a ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra a Lei de Direito de Resposta terão pela frente uma evidência claríssima: a melhoria exponencial da qualidade das informações após a aprovação da lei.
Ao aceitar o direito de resposta de pessoas atingidas, os jornais permitem que seus leitores tenham acesso a fatos verdadeiros. Mais que isso: serão mais exigentes com seus repórteres e editores, para não expor o veículo a mais direitos de resposta.
Esse filtro de qualidade é chamado de "autocensura" por Mirian Leitão. É a mesma "autocensura" praticada pelos melhores jornais do mundo.
Mais que isso, mesmo antes do primeiro Direito de Resposta ser concedido por via legal, os próprios jornais estão ajudando a criar uma nova jurisprudência, que será relevante quando começarem os julgamentos.
Ao conceder direito de resposta ao presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o jornal Folha de São Paulo presta dois favores ao jornalismo:
1.     Permite a seus leitores acesso a uma informação fidedigna, o artigo de Coutinho.
2.     Reconhece que a manipulação das manchetes e do lide (de "lead", no inglês, cabeça, a abertura da matéria) é uma forma de manipulação da notícia.
De fato, analisando o histórico do factoide constata-se que a primeira reportagem com a falsa denúncia continha as explicações do banco no pé da matéria. Mesmo sendo explicações definitivas mantiveram a manchete e o lide com a notícia falsa.
Este caso, mais o da juíza Ana Amaro – que ganhou ação contra a Globo no caso das adoções – mostra um grau de subjetivismo importante na hora de analisar os prejuízos com as notícias: não basta abrir espaço para o “outro lado” no pé da reportagem; importa analisar o efeito final da matéria sobre a opinião pública. Se a reportagem dá a versão do outro lado, mas encampa a versão falsa, a reportagem é falsa. Portanto, o julgamento tem que levar em conta o resultado final da reportagem.
Vamos analisar o caso Folha.

Para continuar lendo no Jornal GGN:

domingo, 29 de novembro de 2015

LUIS BRUSCHTEIN: MIRANDO O NORTE (TRAZENDO AS GUARIMBAS DE CARACAS PARA BUENOS AIRES)

(Fotos: DyN/AFP/Página/12)
Leopoldo López não é um preso político como propõe Macri. Foi condenado por provocar atos violentos que resultaram em 43 mortos e 800 feridos. Tampouco tem a ver com a democracia porque López tentava depor um presidente que havia assumido fazia menos de um ano após impor-se em eleições limpas.
Por Luis Bruschtein – no jornal argentino Página/12, edição impressa de ontem, dia 28
Em maio ou abril, um dirigente KX convocará as pessoas às ruas de Buenos Aires, para armar barricadas e incendiar casas comerciais. No segundo dia já não dirá que é para que baixem os preços do transporte coletivo ou do leite, e sim que a mobilização e as barricadas são por tempo indeterminado, até que caia o governo. No alto dos edifícios haverá franco-atiradores que dispararão contra as pessoas encarregadas de desarmar as barricadas. Finalmente ao não conseguir a adesão da população, o protesto se esgota depois de deixar mais de 40 mortos. Então Macri presidente mandará deter o dirigente KX e o julgará por incitar a violência. Troque Buenos Aires por Caracas, tire Macri e ponha Nicolás Maduro e substitua KX por Leopoldo López. Macri teria que meter Leopoldo López na cadeia.
López não é um preso político como propõe Mauricio Macri. Tratou de destituir um presidente constitucional quando ainda nem sequer havia passado um ano das eleições. Os chamados de López a cometer esses desmandos nos quais morreram 43 pessoas e deixaram mais de 800 feridos foram públicos e estão absolutamente comprovados em gravações, tuítes e mensagens de texto, mais testemunhos de alguns dos detidos. Outros opositores, como Luis Henrique Capriles preferiram tomar distância da revolta. O plano de López era denominado “La Salida” (A saída) e procurava, com incendiários e franco-atiradores nas ruas de Caracas, a saída do presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro. Os 43 mortos nem sequer são dos revoltosos. A imprensa internacional, que tem feito uma campanha desmesurada contra Maduro pela situação de López, esconde que todas as vítimas foram policiais e cidadãos que trataram de tirar as barricadas ou que simplesmente passavam pela zona onde atuaram os franco-atiradores da oposição. Os venezuelanos denominam as barricadas de guarimbas. A Comissão dos Familiares de Vítimas das Guarimbas é quem pediu que se realizasse o julgamento contra López, filho duma das famílias mais poderosas da Venezuela. Nem sequer a suspeita deserção dum promotor que fugiu para Miami pode ocultar a responsabilidade de López nos desmandos. Ainda que agora peça a libertação de López, o mesmo Capriles fez chamados à ordem enquanto López incitava os atos de violência.
López não é um preso político, foi condenado por provocar esses tumultos. Tampouco tem a ver com a democracia porque López tentava depor um presidente que havia assumido fazia menos de um ano após impor-se em eleições limpas. Ninguém pôde questionar a transparência dessas eleições que haviam sido rigorosamente controladas por observadores de todas as partes. E muito menos é aplicável à Venezuela a cláusula democrática do Mercosul, justamente porque não se produziu nenhuma alteração institucional. Para que se aplique essa cláusula, a ruptura institucional não tem que ser uma “interpretação”, como a que propõe Macri, mas sim um ato concreto, como foram as destituições de Fernando Lugo no Paraguai e de Manuel Zelaya em Honduras.
Qualquer um pode pensar o que queira da política venezuelana, mas nas declarações de Mauricio Macri, é o que menos importa. Nem presos políticos nem cláusula democrática, o que está no centro dessas declarações é a intenção de que a Argentina volte a funcionar como um peão da estratégia de Washington para a região. Implica ao mesmo tiempo voltar a ideologizar as relações exteriores ao estilo menemista (do ex-presidente Carlos Menem). Como naquela época, a estratégia de fazer os mandados para a potência do Norte se baseia na crença de que assim provocará uma onda de investimentos, coisa que nunca ocorreu porque em pleno auge dessa submissão “carnal” a imensa maioria dos capitais se radicaram no Brasil. E mais, muitos desses investimentos se foram da Argentina rumo ao Brasil.
Continua em espanhol, com traduções pontuais:
Hay una sintonía entre esa idea y la conformación del gabinete (do ministério) con economistas neoliberales relacionados con la banca nacional e internacional. Ni siquiera provienen, como en otros casos, del seno de la Unión Industrial. Puede parecer un detalle, pero la mirada económica desde la banca es más oportunista que productivista, tiende a pensar más en la ideología de la economía que en el negocio y se inclina más por los gestos y la franela, que por las condiciones comerciales concretas. Han sido gerentes de bancos transnacionales o (ou) tienen consultoras que trabajan para ellos. Cada deuda (dívida) que contraten tendrá consecuencias personales para ellos directas o (ou) indirectas. Si Macri quiso proyectar una imagen desarrollista (desenvolvimentista) a través del solo nombre de Rogelio Frigerio, el gabinete económico tiene más tufillo financiero que industrial. No hay un solo economista en el gabinete vinculado a la producción. Más que el nombre, Rogelio Frigerio no tiene nada que ver con su abuelo (seu avô) homónimo, un economista de formación marxista, influenciado por los enfoques de la Cepal y creador del desarrollismo (desenvolvimentismo). El actual Frigerio fue discípulo, en cambio (ao contrário), del ex ministro menemista Roque Fernández, connotado Chicago Boy.
Por su composición, aparece como un gabinete más orientado a diseñar políticas monetarias y de endeudamiento (endividamento) que a pensar en la producción. Los economistas más vinculados a la industria, incluso a la de capital más concentrado, han ido abandonando las posiciones más ortodoxas y esquemáticas del neoliberalismo para encarar otro tipo de opciones más complejas que Macri evidentemente no tiene intenciones de promover. Desde ese punto de vista es un gabinete anacrónico que sigue viendo al mercado como un ser mitológico y preanuncia con carteles (com cartazes, anúncios) de neón una fuerte movida monetaria y negociaciones concesivas sobre deuda (dívida), ya sea con los fondos buitre o (seja com os fundos abutres ou) con los organismos financieros internacionales. Desde ese lugar no les preocupa que el Estado se desfinancie y no pueda intervenir en los procesos económicos más que a favor de los más poderosos que en esas condiciones son los únicos que pueden inclinar la balanza a su favor.
De todos modos el gobierno de Mauricio Macri no tendrá un escenario muy favorable. Macri perdió en la primera vuelta y ganó la segunda con apenas dos (2) puntos por encima de Daniel Scioli. Prácticamente es el país dividido en dos mitades y por más heterogéneas que sean esas mitades están expresando el trazo grueso de una realidad. La suya es una ventaja (A sua é uma vantagem) que puede perder al primer paso en falso. Aunque ahora la mayoría de los jueces (juízes) y los medios concentrados de comunicación sean oficialistas (governistas, macristas), la tendencia al revanchismo lo pondría en la cuerda floja (corda bamba). Laura Alonso ha defendido al gobierno del PRO (Proposta Republicana – partido de Macri) de todas las denuncias de corrupción que se le hicieron, desde las que se cometieron con la pauta publicitaria –incluyendo la que le tocó a Niembro – hasta la siempre altamente rentable relación del constructor Nicolás Caputo con el gobierno de la ciudad, o (ou) la banda de espías que ya estaba a punto de ser incorporada a la cúpula de la policía porteña por la cual está procesado el mismo Macri. Esa parcialidad le resta autoridad moral para estar en la Oficina Anticorrupción. Allí tendría que haber alguien que puede ser del PRO, pero tiene que ser insospechable (insuspeito) para las dos (duas) mitades, y no es el caso.
En estos doce (12) años no hubo hechos graves de violencia política pese a que la mitad que pasa a la oposición ha sido insultada y despreciada en forma permanente por la otra mitad que antes era oposición y ahora pasa al oficialismo, una acción que contó con el poderoso amplificador de los medios (meios de comunicação) concentrados. Esa mitad soportó insultos y desprecios sin violencia ni reacciones revanchistas porque sentía la responsabilidad del gobierno. Ahora pasará a la oposición, no tendrá ese compromiso y estará muy sensibilizada frente los insultos y provocaciones que los grandes medios han naturalizado (que os grandes meios de comunicação banalizaram) escondiendo la violencia que encierran. Violencia es decirle yegua o loca (égua ou louca, como se referiam à presidenta Cristina Kischner) a una mujer o (ou) ladrón a cualquiera o (ou) choripanero a los humildes en forma permanente, lo cual ha sido una constante en una oposición que ha sido incapaz de reconocer su mala leche cuando denunció fraudes potenciales en las elecciones. Si Macri busca justificar las medidas económicas antipopulares de su gobierno con los “horrores” del kirchnerismo, estará calentando una olla a presión. El gobierno de Cristina Kirchner termina sin grandes altibajos (altos e baixos) que impacten en la población. Han sido doce (12) años en los que se fue de menos a más. Si Macri cambia (muda) esa ecuación y va a menos, con medidas que afecten salario, trabajo o (ou) educación, será su única responsabilidad, no hay excusas en el passado (não há desculpas no passado).

Tradução (parcial): Jadson Oliveira

VENEZUELA DENUNCIA OS EUA POR DECLARAÇÕES “INTERVENCIONISTAS, INSOLENTES E FALSAS”

“É deplorável o apoio dos Estados Unidos às gangues”, disse Delcy Rodríguez (Foto: EFE/Página/12)
O porta-voz do Departamento de Estado estadunidense tinha acusado o partido do governo pelo assassinato dum líder opositor que, segundo a chanceler venezuelana, morreu num ajuste de contas entre gangues.
Do jornal argentino Página/12, edição impressa de ontem, dia 28 (em espanhol, com traduções pontuais)
La canciller de Venezuela, Delcy Rodríguez, calificó ayer (ontem) de “injerencistas, insolentes y falsas” las declaraciones del vocero (porta-voz, representante) del Departamento de Estado de Estados Unidos, John Kirby, sobre el crimen de un opositor venezolano, mientras el oficialista (enquanto o governista) PSUV (Partido Socialista Unidos Venezolano) anunció que denunciará al secretario del partido Acción Democrática (AD), Henry Ramos Allup, por responsabilizarlos por el asesinato y desde esa fuerza anticiparon que tienen pruebas que avalan (avalizam) esa acusación.
“La República Bolivariana de Venezuela rechaza las declaraciones del vocero del Departamento de Estado de Estados Unidos John Kirby, por injerencistas, insolentes y falsas”, dijo la canciller en su cuenta de Twitter. Y agregó: “Pretender vincular un asesinato por encargo entre bandas criminales (gangues) con el proceso electoral venezolano evidencia además de mala fe, su desesperación (seu desespero)”. En otro mensaje señaló que “es deplorable también el apoyo que brinda el Departamento de Estado de Estados Unidos a las bandas criminales conectadas con la oposición venezolana”.
El gobierno de Estados Unidos condenó el jueves (na quinta-feira), el asesinato del opositor venezolano Luis Manuel Díaz, del partido AD, en un acto de campaña. En una nota oficial difundida el jueves se indica que para Estados Unidos, este suceso se enmarca en una serie “de ataques y actos de intimidación recientes” contra los candidatos de la oposición a días de las parlamentarias del 6 de diciembre (eleições para deputados da Assembleia Nacional).
“Pedimos al gobierno de Venezuela que proteja a todos los candidatos políticos y llamamos al Consejo Nacional Electoral a que garantice que esta campaña se lleva a cabo de una manera que se fomente la participación completa del pueblo de Venezuela”, dijo Kirby. “Las campañas de miedo, violencia e intimidación no tienen cabida en democracia”, añadió (acrescentou) el vocero en una breve nota.
Díaz murió el miércoles (na quarta-feira) a causa de un disparo que recibió al finalizar un acto de campaña en el que participaba también Lilian Tintori, esposa del opositor y líder de Voluntad Popular, Leopoldo López, condenado a casi 14 años de prisión. La oposición responsabilizó a militantes del gobernante PSUV de este asesinato y el oficialismo respondió a esta denuncia asegurando que demandará a quienes acusan al gobierno de esa muerte tras  apuntar (depois de apontar) que el dirigente pertenecía a una banda criminal.
El gobernador de Guárico, Ramón Rodríguez Chacín, denunció el jueves (quinta-feira) a la noche que Díaz, además de ser coordinador regional de AD, guardaba relación con bandas criminales organizadas. De acuerdo a la agencia estatal AVN (Agência Venezuelana de Notícias), Jorge Rodríguez, jefe del Comando de Campaña Bolívar Chávez, mostró pruebas de que Díaz era miembro de un banda delictiva denominada Los Plateados y tenía nexos con mafias sindicales de construcción en Guárico, cuyo poder disputaba con el alcalde (com o prefeito) del municipio Chaguaramas, Giovanni Salazar, del también opositor partido Voluntad Popular.
En este marco, el oficialismo se disponía ayer (os governistas se dispunham ontem) a presentar una denuncia por difamación contra el secretario general de AD, Henry Ramos Allup por señalar a oficialistas como responsables del crimen de Díaz. Sin embargo, Ramos Allup dijo ayer (disse ontem) que tiene en su poder supuestas pruebas de la vinculación del asesino de un dirigente de colectividad con “gente relacionada con el gobierno” y anunció que las exhibirá.
“Se van a sorprender cuando vean las vinculaciones del asesino con gente relacionada con el gobierno, yo tengo en mi poder todos los expedientes, yo estoy esperando que digan todo lo que tengan que decir”, dijo el dirigente opositor a la emisora privada Unión Radio. Ramos Allup aprovechó para preguntarle a las autoridades venezolanas por qué si Díaz era un criminal reconocido “y de altísima peligrosidad” como lo describió Rodríguez, no estaba preso. “Esta es la manía recurrente del gobierno, siempre de convertir a la víctima en algo peor que el mismo victimario”, dijo.
En tanto, el coordinador de la misión electoral de Unasur para las legislativas de Venezuela, José Luis Exeni, exhortó “a todas las partes” en el país a que no haya violencia, luego de que el jueves (depois que na quinta-feira), el organismo regional condenara en un comunicado la muerte de un dirigente.
“Sabemos ya que el Ministerio Público ha tomado competencia y esperaríamos el informe cuando corresponda y eso es lo fundamental, que todos nos comprometamos a que se lleve adelante el proceso de manera pacífica”, señaló el ex presidente de la Corte Nacional de Bolivia al referirse al suceso. Indicó, además, que la misión seguirá insistiendo en su actuación fundamental de que los resultados expresados en las urnas durante las legislativas (eleições legislativas) son “la voluntad popular” y “tienen que ser respetados”.
“La expectativa es que tengamos una alta participación ciudadana en este proceso, que todo lo que sea previsto en términos de desarrollo (desenvolvimento) de las actividades según el calendario electoral se lleve adelante”, dijo. Entre las repercusiones por este asesinado se destaca la “condena” que hizo pública ayer el gobierno de Brasil.

En una nota oficial el Ministerio de Relaciones Exteriores “condena con firmeza ese lamentable incidente” que costó la vida del dirigente del partido Acción Democrática, y recuerda que “es responsabilidad de las autoridades venezolanas garantizar que el proceso electoral transcurra de forma limpia y pacífica”.

PAULO NOGUEIRA: A PRINCIPAL CONCLUSÃO DO DATAFOLHA É QUE A MÍDIA DESINFORMA

O brasileiro tem que rejeitar a existência de favelas (Foto: DCM)
A real tragédia brasileira chama-se desigualdade social. Poucos ricos e muitos pobres.
Para a plutocracia, cuja voz é a mídia, interessa colocar o foco na corrupção. Você evita que a sociedade discuta a questão da desigualdade. Note também que mesmo o debate sobre corrupção é parcial e mistificador. 
Por Paulo Nogueira - no blog DCM - Diário do Centro do Mundo, de 29/11/2015 (o título e os destaques acima são deste blog)
A principal conclusão do Datafolha 
A principal conclusão do Datafolha é a seguinte: a mídia desinforma a sociedade.
Isso fica claro naquilo que foi classificado como o maior problema brasileiro pelos respondentes: a corrupção.
É uma besteira.
E é lamentavelmente uma coisa comprada pelos brasileiros porque eles são bombardeados diuturnamente com essa mensagem.
A real tragédia brasileira chama-se desigualdade social. Poucos ricos e muitos pobres.
Numa escala mais ampla, é a tragédia número 1 não apenas do Brasil como do mundo.
Considere o Papa Francisco.
Rapidamente ele virou um fenômeno, uma referência global exatamente por eleger a desigualdade como o mal maior a combater.
Francisco virou provavelmente a mais influente personagem dos nossos tempos porque foi logo erguendo a voz contra a miséria.
Se ele falasse obsessivamente em corrupção, em vez da iniquidade, seria motivo de piada. Ninguém o ouviria.
A corrupção prospera em ambientes iníquos. Não é por acaso que os países mais igualitários – a Escandinávia é o maior exemplo — são os menos corruptos.
Para a plutocracia, cuja voz é a mídia, interessa colocar o foco na corrupção. Você evita que a sociedade discuta a questão da desigualdade. As pessoas ficam como que hipnotizadas.
Note também que mesmo o debate sobre corrupção é parcial e mistificador. Não se considera corrupção, para ficar num caso, a sonegação contumaz das  grandes corporações de mídia.
A Globo, no caso mais gritante, faz anos que adota o truque da pessoa jurídica nos maiores salários para sonegar. O contrato não é renovado quando a Globo demite.
Isso significa que o demitido sai sem os direitos clássicos trabalhistas. Se ficar incomodado, tem que recorrer à Justiça, o que nunca é um decisão fácil dado o tamanho da Globo.
Que jornalista quer se indispor com uma empresa que tem tevês, rádios, jornais, revistas etc? Se a Globo põe você na lista negra você está frito. Ou pelo menos estava, antes que a internet surgisse para minar a Globo.
Claudia Cruz foi à Justiça e ganhou da Globo, mas já estava claro que ela contava com o marido Eduardo Cunha para as questões financeiras.
Não é à toa que o coro da corrupção floresce, na mídia, em governos populares. Getúlio Vargas foi vítima disso. João Goulart também. Lula agora é o alvo.
Todos eles, cada qual de seu jeito, estavam combatendo por um país mais igual. Para a plutocracia corrupção, no fundo, é se insurgir contra a desigualdade.
O Brasil precisa de um Francisco que acorde as pessoas para o câncer da iniquidade.
Há que falar, falar e ainda falar. Pregar, pregar e ainda pregar.
Foi fazendo isso, com motivos inconfessáveis, que a imprensa levou os brasileiros a aceitar a desigualdade, como se ela fosse uma coisa irrelevante diante da corrupção.
É o que mostra o Datafolha, e isto é uma grande pena exceto para os beneficiários da injustiça social —  os plutocratas.

LEVE AUMENTO DO DESEMPREGO: DESAFIO RENOVADO PARA A AMÉRICA LATINA

Há o risco implícito de que o desemprego impeça que se avance na diminuição da pobreza e da desigualdade (Foto: Internet)
Desde 2012 a maioria dos países do subcontinente, ainda que com ritmos diferentes, registram taxas de desenvolvimento descendentes, conforme relatório da Cepal e OIT.

Da Redação América do Sul da agência de notícias Prensa Latina

Havana - Um recente relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) revelou que, pela primeira vez desde 2009, o desemprego nessa região aumentou de um ano a outro.

No estudo Conjuntura Trabalhista na América Latina e no Caribe, ambos organismos das Nações Unidas calcularam que a taxa de desemprego urbano na área fechará 2015 em 6,6 por cento, o que supõe um aumento de 0,6 pontos em relação ao ano anterior.

Para os pesquisadores, ainda que se mantenha a cifra em níveis historicamente baixos, deriva-se da tendência à desaceleração do crescimento econômico regional, que começou a impactar os indicadores trabalhistas, o que supõe renovados desafios aos governos regionais.

Desde 2012 a maioria dos países do subcontinente, ainda que com ritmos diferentes, registram taxas de desenvolvimento descendentes. As mais recentes projeções do indicador para o ano em curso reafirmam a tendência, ao prever uma contração de 0,3 por cento.

Isto, e o fato de que a desaceleração atinja agora o mercado trabalhista, determina que tanto a Cepal como outras entidades e analistas definam a situação econômica da América Latina e do Caribe como complexa e preocupante.

Entre as razões que se apresentam está o risco implícito de que o desemprego impeça que se avance na diminuição da pobreza e da desigualdade, dois elementos que o relatório identifica como "importantes avanços da região a partir do início da década passada". Neste sentido, os pesquisadores esperam impactos negativos em várias dimensões dos mercados trabalhistas, cujos desempenhos, junto às políticas sociais aplicadas, contribuíram significativamente aos avanços citados.

Para eles, o dinamismo dos países da área na geração de emprego formal e na redução das brechas salariais, muitas vezes apoiadas por políticas trabalhistas inovadoras, "foram determinantes para melhorar o bem-estar material de milhões de lares".

No entanto, apesar de os salários reais em muitos casos manterem moderados aumentos, a atualidade e evolução do mercado trabalhista durante o período estudado (primeiro semestre de 2015) indicam uma predisposição a piorar, como o resto dos indicadores macroeconômicos. Uma característica determinante dessa evolução segundo a Cepal e a OIT, é que os novos postos de trabalho surgem cada vez mais em atividades pouco produtivas, como as agrupáveis na modalidade de trabalho por conta própria.

Este fenômeno e o resfriamento da geração de emprego assalariado foram mais notórios no segundo trimestre que no primeiro, o que unido às projeções de crescimento econômico anual impede augurar uma mudança da tendência para o segundo semestre.

Daí que para este ano em seu conjunto prevejam o mencionado aumento da taxa de desemprego.

Segundo as organizações, o quadro gerado propõe a dúvida de se os avanços da década anterior na região foram o suficientemente estruturais para prevenir sua perda em uma conjuntura econômica menos favorável como a atual.

Hoje salvo algumas exceções, sustentam em seu relatório, os países sul-americanos são os que mais sofrem a perda de ritmo de suas economias, devido em boa parte à evolução da economia mundial, que afetou a demanda de seus principais produtos de exportação.

Especificamente, dois fatos pontuais que influenciam neste quadro são a desaceleração econômica da China, o primeiro investidor da maior parte dessas nações, e a queda dos preços das matérias primas no mercado global, sua principal riqueza exportável durante os últimos anos.

Por sua vez, os países do norte da área, ainda que não estejam isentos desta situação, durante o semestre estudado exibiram indicadores de crescimento similares aos do ano anterior, enquanto os do Caribe conseguiram um aumento moderado.

É neste contexto de pouca expansão do produto interno bruto regional, qualificada de "magra" no relatório, no qual ambas entidades baseiam sua análise do desempenho do mercado trabalhista, tendente também à desaceleração.

Como via para enfrentá-la, depois de seis anos de estabilidade, propõem incrementar os volumes de investimento e encaminhar a uma mudança estrutural, que foque o potencial de crescimento econômico de uma perspectiva de produtividade crescente.

De igual forma, consideram que só com "políticas claras de desenvolvimento produtivo", a região será capaz de superar os obstáculos para sua expansão e gerar mais e melhores empregos para a inserção de sua força trabalhista.

De tudo isto, pode ser concluído que o renovado desafio do desemprego, ainda que não seja alarmante, deve representar um alerta que impulsione a atuar sobre o fenômeno.

Ações em tal sentido são necessárias sobretudo no atual cenário político de muitos países com governos preocupados pelo bem-estar social, nos quais as alternativas neoliberais encarnam aquelas que fizeram do desemprego um mal endêmico da região.

A ELEIÇÃO DE MACRI: PARADOXOS E CENÁRIOS FUTUROS – POR CARLOS ACUÑA

Mauricio Macri, presidente eleito da Argentina (Foto: DyN/Página/12)
O cenário sugere a possibilidade de que esta vitória (de Macri) constitua o primeiro passo duma verdadeira revolução conservadora porque brindaria às classes economicamente dominantes traduzir seu poder econômico em hegemonia à maneira de Gramsci.
Por Carlos H. Acuña (*) – no jornal argentino Página/12, edição impressa de 27/11/2015
Em meio à primeira vitória eleitoral dum partido conservador na história democrática argentina (um “partido pró-mercado e pró-negócios”, Macri dixit em ArgenLeaks), há dois grandes paradoxos cujo reconhecimento ajuda a pensar futuros possíveis para a política em nossa sociedade.
A primeira é que o kirchnerismo, colocando Macri sistemática e estrategicamente como seu “sparring” preferido, apontou por mais duma década a construir o cenário eleitoral de 22 de novembro, no qual dois grandes blocos de agregação política reordenassem o sistema partidário para, produzido o reordenamento, ficar como uma força eleitoralmente dominante e progressista. A “transversalidade” era, obviamente, uma ferramenta chave nesta construção.
No entanto, e recordando a história do escorpião e a tartaruga, se fechou em si mesmo, debilitando importantes laços com setores não peronistas assim como dentro do próprio peronismo. O paradoso é que o kirchnerismo conseguiu seu objetivo de colocar  Macri como sua “contra-opção”, ainda que ao subir ao ringue o fez com pés de barro (por diversas razões, que vão desde a complicação de condições internacionais, órgãos jornalísticos com sistemática e destrutiva manipulação pública, limitações institucionais no momento de selecionar candidatos, até seu próprio modo de operar muitas vezes rígido e intolerante; cada um destacará diversa relevância a seu gosto).
Neste contexto, a consideração de futuros cenários políticos demanda reconhecer a possibilidade de que se dê um segundo paradoso a partir desta vitória eleitoral: que Macri –inesperadamente vitorioso no ringue no qual em grande medida o kirchnerismo o colocou como principal concorrente – recupere a lógica de construção política “transversal” e não só aponte para governar através de acordos ou da divisão de opositores, mas também da incorporação de aliados e até de alguns opositores, num novo “movimento partidário” que persiga sustentar-se no governo não por meio de vitórias no segundo turno, mas no primeiro.
Peronistas e radicais (do partido União Cívica Radical – UCR) que já se incorporaram ao partido de Macri neste sentido deixariam de ser figuras excepcionais e localistas para se tornarem um padrão desafiante ao resto dos partidos (como em seu momento resultou a “transversalidade” de Néstor). Para isto Macri necessitaria muito pragmatismo e jogo de cintura (e, à maneira de Maquiavel, “buona fortuna”, sobretudo no manejo da questão econômica no primeiro ano de governo), atributos que – como me fizeram notar dois amigos há uns dias – talvez esta nova geração conservadora tenha, dado que não os tolhem muitas das restrições e preconceitos que, por exemplo, se cruzavam na UCeDé (União do Centro Democrático, partido conservador criado na Argentina em 1982).
Conclusão: é verdade que o governo do PRO (Proposta Republicana – partido de Macri) pode confirmar a suspeita generalizada entre os vencidos e atuar como mero agente dos ricos, do capital concentrado e do pensamento da direita mais recalcitrante que pulula na sociedade.
Mas também existe outro cenário potencial e paradoxal: aquele em que o PRO maneje com uma “transversalidade” que aponte a retomar o rearmado partidário que tentou o kirchnerismo, ainda que agora a partir do lado conservador da balança. Com certeza, este cenário é o que mais se aproximaria duma “revolução conservadora”, tanto por seu caráter de origem eleitoralmente democrática, como porque seria o mais próximo da possibilidade de que as classes proprietárias – como nunca aconteceu nos últimos 100 anos na Argentina –, contem com a capacidade de projetar de maneira crível para a maioria, que seus interesses coincidem com os do conjunto social.
Em definitivo, este cenário sugere a possibilidade de que esta vitória constitua o primeiro passo duma verdadeira revolução conservadora porque brindaria às classes economicamente dominantes traduzir seu poder econômico em hegemonia à maneira de Gramsci. Por certo sabemos que o futuro quase nunca está escrito: os conservadores no governo poderiam se mostrar pouco pragmáticos e se confirmar como meros agentes de interesses estreitos, egoístas e minoritários; ou os grupos populares ameaçados pelo novo governo poderiam mostrar, como tantas vezes na história argentina, a capacidade de resistir, vetar políticas e desmantelar estratégias de construção de hegemonia.
Mais além disso, se a primeira lei de ferro da política argentina era “em eleições livres ganha o peronismo” e a rompeu Alfonsín em 1983, o que sucedeu neste domingo (22/novembro) rompe a segunda lei de ferro da política argentina, esta que dizia “na Argentina está fora do possível que forças conservadoras possam aceder ao governo com legitimidade democrática própria”. Isto o domingo deixou de ser impossível, o que já constitui uma revolução política. Se ademais desemboca numa revolução conservadora está por se ver (ainda que a partir do domingo tampouco é impossível).
Ainda que celebre o fortalecimento democrático que representa cada reiteração de eleições transparentes e pacíficas, que domingo de merda, não?
(*)Unsam-UBA/Conicet (Universidade Nacional de San Martín-Universidade de Buenos Aires/Conselho Nacional de Investigações Científicas eTécnicas).

Tradução: Jadson Oliveira

DELCÍDIO PRESO: A CRISE POLÍTICA NÃO É SÓ DO PT – POR RODRIGO VIANNA

O símbolo de um sistema político que ameaça ruir (Foto: Escrevinhador)
A lógica que faz o PSDB sorrir a cada nova prisão – que põe a economia de joelhos e os empresários em polvorosa. Parte da oposição pensou nessa escalada apenas como ferramenta para desgastar o PT… Mas há sinais de que a estratégia pode estar saindo do controle.

Por Rodrigo Vianna – no seu blog Escrevinhador (Portal Fórum), de 26/11/2015 (sugestão do companheiro Geraldo Guedes, advogado em Brumado-Bahia)

É inaceitável, sob qualquer justificativa, que um líder do governo no Senado Federal trame estratégias de fuga junto à família de um réu. E que se proponha a interferir nas ações do Supremo Tribunal Federal. É de uma arrogância e desfaçatez, a indicar o grau de deterioração da política no Brasil.
Quando um líder do governo ataca a Justiça e a República, estamos às portas de uma crise institucional.
Mas há mais que isso no caso Delcídio. Ele é filiado ao PT, e é preciso lembrar que não existe política de esquerda (ou centro-esquerda, vá lá) quando se perdem todos os princípios de defesa da Justiça. A definição do velho Norberto Bobbio para “esquerda” é: são aqueles que lutam para reduzir desigualdades.
Não se reduz desigualdade atentando contra a Justiça. Acho que não seria preciso lembrar isso. Mas cá estamos num mundo estranho, num momento estranho…
“Ah, mas os tucanos sempre fizeram igual, e jamais foram pegos”. Isso é fato. Mas não exime o PT da responsabilidade por aceitar um personagem desse em seus quadros. Delcídio não queria a fuga de Cerveró para a Espanha em nome de um projeto político – o que já seria grave. Agia, usando o cargo de senador e o poder que lhe confere a Constituição, para proteger a si mesmo.
Delcídio Amaral esteve na Petrobrás sob FHC. Delcídio é “parceiro” de altos tucanos em empreitadas políticas e negócios mal explicados. Delcídio é também um símbolo do neopetismo (na mesma linha de André Vargas).
Mas o mais grave: a irresponsabilidade de Delcídio abriu caminho para que se arrebente com o discurso de defesa das garantias constitucionais – criadas para preservar, sim, a democracia e as prerrogativas parlamentares (mas não para proteger bandidos).
Juristas e professores alertam para a interpretação “fora da curva” adotada pelo STF, para mandar prender Delcídio. Mas alguns desses advogados são realistas na avaliação do que se passa agora no país: “o despudor dos homens do poder cuidou de legitimar toda e qualquer exorbitância punitiva. Nem me canso mais de fazer discurso garantista, porque quando o líder do governo vai pra esse despudor, só resta jogar a toalha. Parece até encomenda do Moro.”

Com o “presente” oferecido por Delcídio, Nestor Cerveró (em vez de pegar um avião para a Espanha, como sugeriu o arrogante senador neopetista) pode fazer o governo, a oposição e boa parte do mundo político embarcarem numa montanha russa: e, no percurso, muitos podem ser lançados pelos ares.

A delação de Cerveró deve atingir Renan, Temer e talvez chegue a Dilma.
E se Delcídio também falar, aí os tucanos podem perder algumas cabeças coroadas na guilhotina das delações sem prova e do terror midiático.
Ou seja, já não é apenas de impeachment que se trata; mas de uma crise institucional sem precedentes, que pode engolfar os 3 maiores partidos políticos brasileiros: PT, PSDB e PMDB.
O roteiro do juiz Sérgio Moro, traçado lá atrás, previa uma espécie de “refundação” da política, empreendida por homens que “não são políticos”. Todos sabemos o perigo desse caminho.
Moro usa camisas pretas em suas aparições fantasmagóricas. Na Itália, onde me encontro nesse momento, as camisas negras não são de bom augúrio. Mas avancemos em outras conjecturas…
Pode-se discutir se a prisão de Delcídio não abre um precedente perigoso, levando a um novo patamar essa espécie de revolução francesa jurídico-midiática. Abre-se o caminho para a exceção punitiva, o que assusta o andar de cima brasileiro, sempre acostumado a acomodações.
Já estavam presos (pela Lava-Jato) alguns dos maiores empreiteiros do país; agora, somam-se à lista um banqueiro (Andre Esteves, suposto parceiro das estripulias delcidianas) e um senador com trânsito no neopetismo e no tucanato.
Isso é bom ou ruim? A princípio, pode indicar sim um sinal de maturidade da democracia. Mas é preciso ver qual o alcance dessa escalada punitiva.
Sabe-se que, em Brasília e em suas andanças pelo Brasil, Aécio Neves costuma dizer aos empresários e à elite que, quando chegasse ao poder, tudo isso teria fim. Voltaríamos aos velhos tempos em que rico não pagava por crimes. Empresários que ousaram fazer negócios com petistas estão enjaulados. A saída seria uma “restauração” tucana.
Essa é a lógica que faz o PSDB sorrir a cada nova prisão – que põe a economia de joelhos e os empresários em polvorosa. Parte da oposição pensou nessa escalada apenas como ferramenta para desgastar o PT… Mas há sinais de que a estratégia pode estar saindo do controle – o que pode levar a um aprofundamento da democracia, depois de passarmos por uma crise que promete ser profunda e dolorosa.
A prisão de Delcídio fez o mundo político (e não apenas o petismo) tremer nas bases. Ninguém mais está a salvo. Esse é o sinal que vem dessa prisão.

Na revolução francesa, como se sabe, os que começaram cortando cabeças terminaram perdendo as próprias na guilhotina. A política brasileira (mal comparando) parece ter entrado num caminho desse tipo, de autofagia e destruição.

sábado, 28 de novembro de 2015

RENAN ANTUNES (AGÊNCIA PÚBLICA): OS JAGUNÇOS CERCAM OS GUARANIS

Cacique Loretito e família na cova do guerreiro Simeão morto no ataque dos fazendeiros (Foto: Cris Loff/Pública)
Quem está matando os índios no Mato Grosso do Sul? Por que essas mortes se repetem? Para responder a essas perguntas a Pública escalou um repórter experiente que conta aqui suas descobertas no mundo ameaçado dos guarani-kaiowá.

Por Renan Antunes de Oliveira – da Pública – Agência de Reportagem e Jornalismo Investigativo, de 25/11/2015

No final de outubro, eu estava internado num hospital em Porto Alegre quando recebi um whatsApp: precisa-se de repórter para viajar para o Mato Grosso do Sul (MS) a fim de investigar crimes no mundo guarani – foram 138 mortes em 2014, segundo dados do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

A mensagem citava os crimes mais recentes: alguém furou a barriga do cacique Elpídio, de Potrero Guasu, em setembro; jagunços mataram o guerreiro Simeão, em agosto, em Marangatu; uma criança índia sumiu durante uma escaramuça com fazendeiros, em junho, na área indígena Kurusu Amba – nesse caso, a denúncia era do Ministério Público Federal (MPF).

Notem: era só índio tomando chumbo.

Dei uma busca no Google por “morte do índio Simeão”. Nada nos grandes portais nem nos jornalões – até aí normal.

Vapt-vupt desconectei o soro, suspendi um exame da artéria hipogástrica e reagendei o nefrologista para novembro: a viagem era urgente porque nunca antes na história daqueles grotões foi tão quente o conflito entre índios guaranis e fazendeiros brancos.

Aluguei um carro, contratei a fotógrafa Cris Loff e toquei para as quebradas onde os ataques ocorreram – reportagem assim tem um pouco daqueles seriados do CSI, e seria bom a gente encontrar as provas na cena do crime.

Já estive no MS várias vezes. Esperava rever os mesmos atores: fazendeiros e seus pistoleiros na ofensiva, índios no modo de sobrevivência.

Desde 2013 os fazendeiros impedem na marra que a Funai demarque as áreas indígenas, usando pistoleiros nos grotões, parlamentares no Congresso Nacional e a conveniente lerdeza do Judiciário.

Os pistoleiros são os que mais incomodam, mesmo sendo apenas a ponta do iceberg: eles fazem o serviço sujo aqui e ali, botam os funcionários da Funai para correr. Vivem protegidos nas fazendas dos mandantes, com a certeza da impunidade.

No front político, os parlamentares da chamada “bancada ruralista” conseguiram aprovar na Comissão Especial da Câmara Federal a PEC 215, uma proposta de emenda à Constituição que, se aprovada no plenário do Congresso, roubará dos índios direitos que já estão no livrinho.

Da lentidão do Judiciário eis um exemplo atual: a disputada área Marangatu, onde se deu o assassinato de Simeão, foi entregue aos indígenas em 1999, quando ele tinha apenas 8 anos. Mas os fazendeiros recorreram à Justiça e o caso subiu ao STF, de onde nunca mais saiu – Simeão foi morto aos 24 em terra guarani sub judice…

A rigor, os índios têm do seu lado apenas o Cimi. É verdade que existem alguns burocratas bem-intencionados em repartições do governo Dilma, mas estes estão quase imobilizados para não melindrar o governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

O impasse: na questão indígena, o governador influencia parlamentares da bancada federal no Congresso, até mesmo quando adversários. Dilma fica de mãos atadas porque não é boa política afrontar os representantes do eleitorado local, ainda mais quando se trata de uma causa tremendamente impopular – a defesa da minoria índia.

Se você pensou na Funai como super-heroína em defesa dos guaranis, pensou errado. Ela é só um órgão do Ministério da Justiça (MJ), logo passível de influência política.

Para entender a big picture, eis uma denúncia feita pelo procurador do MPF para assuntos indígenas no pedaço, Ricardo Ardenghi. Em junho, ele pediu ao MJ apoio da Força Nacional de Segurança (FNS) para proteger a comunidade Kurusu Amba, sob ataque de fazendeiros e seus jagunços.

Era uma urgência urgentíssima.

A FNS não foi. Assim de simples.

O procurador requisitou a Polícia Federal, mas o delegado responsável pela área também não quis ir.

As duas forças não foram por uma decisão política: PF e FNS são órgãos do MJ.

O procurador pediu proteção de agentes da Polícia Civil do MS – um baita risco – e foi ele mesmo se interpor entre fazendeiros armados e índios indefesos.

Foi tarde demais.

Ardenghi disse: “Quando cheguei lá [na zona do conflito] havia alguns pontos de incêndio, onde foi possível identificar utensílios de cozinha, cobertas, brinquedos e alimentos destruídos pelo fogo. Expulsos [pelos fazendeiros e seus jagunços], os indígenas se encontravam na estrada de acesso, a 2 km do local do conflito”.

Na refrega, uma criança índia sumiu. Assim, desapareceu no ar. Agora, imagine o auê se uma criança sumisse num domingo no Parque do Ibirapuera…

E mais: índio já vive num miserê total, mas os fazendeiros não tiveram dó. Queimaram roupas, comida e até os brinquedos da tribo escorraçada.


O procurador concluiu que “o Ministério da Justiça agiu com grave omissão, desrespeitando os direitos constitucionais dos indígenas”.